As falhas na educação básica acabam criando diversas brechas no futuro dos jovens no Brasil. Uma delas é a dificuldade que eles acabam encontrando para entrar no mercado de trabalho. Já que não existem mecanismos e políticas públicas para que isso aconteça.

São poucos os que saem do Ensino Médio e ingressam no Superior. No Brasil, são 14% dos jovens, sendo que a grande maioria vem de famílias que possuem rendas altas. Isso acaba criando um mercado com profissionais despreparados.

 

Mas, as consequências são ainda maiores

O desemprego oriundo da falta de preparo dos jovens para o mercado de trabalho, não apresenta custos apenas para esses jovens. A sociedade paga como um todo.

Além da perda de talentos, os custos com o apoio social e subsídios acabam se tornando um problema. Os desafios acabam se tornando maiores: altas taxas de gravidez não planejada, habitações irregulares, uso de drogas, crime.

 

Enquanto nada muda...

Enquanto não acontece uma melhora na educação desses jovens, algumas soluções acabam surgindo da iniciativa privada e até mesmo do governo, para que eles entrem no mercado de trabalho com alguma experiência.

Essas iniciativas surgem como um respiro para a falha que existe na estrutura de ensino. São projetos que incentivam a preparação para o mercado de trabalho, de maneira que consigam realizar, sem grandes traumas, a transição da vida de estudante para a vida adulta.

Por parte do governo, a Lei da Aprendizagem, afirma que empresas de médio e grande porte devem contratar jovens entre 18 e 24 anos como aprendizes. Nesse caso, é uma via de mão dupla: enquanto os jovens ganham experiência para se inserirem no mercado de trabalho, os empresários contribuem para a formação profissional do país.

O programa se coloca como uma intervenção positiva na sociedade, e o é! Dessa forma, pode-se capacitar o jovem profissionalmente, mas sem transferir a responsabilidade disso apenas para o governo. A responsabilidade fica nas mãos do próprio jovem e da sociedade, construindo uma juventude autônoma e uma economia mais produtiva, com profissionais mais bem preparados.

 

Ajuda é sempre bem-vinda

Existem projetos bem bacanas por aí que partem da iniciativa privada ou de outras frentes e que visam garantir um futuro melhor para os jovens. Essas ideias podem servir como exemplos de soluções para os problemas da educação no país.

O Instituto Ayrton Senna por exemplo, acredita que a educação pode mudar o mundo. Fortalecendo parcerias com secretarias de educação, desenvolvem diversos projetos que contribuem para o desenvolvimento dos jovens.

Firmar essas parcerias com as secretarias, possibilita conhecer mais a realidade das escolas públicas e dos jovens, e assim, disseminar inovações educacionais.

Outras iniciativas bem bacanas são: o Itáu Social e o Instituto Unibanco, com o foco em escolas públicas, se comprometem a garantir o direito à aprendizagem dos jovens, focando na gestão escolar como a solução para dar esse acesso aos jovens.

 

E quais seriam as verdadeiras soluções?

Existem diversas soluções que podem ser implementadas para melhorar essa realidade. É necessário testar quais dão certo e descartar as ideias que não funcionam.

Entender de onde vem o problema também é essencial. A falha da educação básica, que não prepara os jovens de forma eficiente, acaba trazendo a necessidade de programas de incentivo para que eles consigam pelo menos ter um futuro melhor.

Mas, é necessário resolver o problema principal. Acompanhe os próximos posts aqui do blog, vamos conversar sobre como resolver esses problemas? Você pode mandar uma mensagem diretamente para mim, e continuar acompanhando meu Facebook e Instagram.

E aí o que achou?

Vamos conversar! comente aqui em baixo para trocarmos mais ideias!