fbpx
  • Home
  • Como o coronavírus impacta a educação?

Como o coronavírus impacta a educação?

17 de março de 2020 admin 4 Comments

Dos 291 casos do novo coronavírus confirmados em todo o Brasil, 164 são no estado de São Paulo, de acordo com o Ministério da Saúde nesta terça-feira (17) . O prefeito de São Paulo, Bruno Covas, decretou estado de emergência na cidade nesta terça-feira (17)

Além disso, o governo e as prefeituras da região metropolitana paulista estão adotando medidas mais enérgicas para conter a transmissão do coronavírus em São Paulo.

Entre elas, está a suspensão gradual das aulas nas escolas estaduais e municipais a partir de segunda-feira (16). A suspensão total ocorre a partir do dia 23.

A medida afetará 3,5 milhões de alunos na rede estadual e 1 milhão de estudantes na rede municipal. Assim, algumas políticas públicas ligadas à educação podem evitar um prejuízo ainda maior para os alunos.

Quais medidas podem ser adotadas?

Apesar do vírus proporcionar uma situação remota para as empresas, escolas e órgãos do governo, é importante que os serviços não parem.   

Muitas empresas vem liberando seus funcionários para fazer home office, por exemplo.  Vale ressaltar que a recomendação é para evitar aglomerações e diminuir as chances de contágio.

Em outras palavras, o governo do estado e a capital paulista estudam, para as próximas semanas, criar um site ou aplicativo para oferecer conteúdo educacional online, sem gastar a internet das famílias.

As faltas também serão abonadas, para evitar prejuízos futuros por parte dos alunos. Somente no primeiro dia da suspensão gradual das aulas, a frequência dos alunos do ensino público foi menor que o habitual. 

Nas escolas municipais a maioria apareceu, entretanto, nas estaduais cerca de 20% a 40% dos alunos foram no período matutino e 40% no período vespertino, turno em que estudam os alunos mais novos. 

Assim, mesmo que as aulas presenciais sejam canceladas, os alunos podem continuar a realizar atividades, receber conteúdo e tirar dúvidas com os professores. 

Além disso, vale ressaltar que a suspensão das aulas será gradual. Essa medida é importante justamente para evitar um contato imediato dos jovens com idosos, considerados um grupo de risco para o novo coronavírus.

A Prefeitura de São Paulo também estuda como fornecer a merenda para os alunos afastados das escolas municipais. O secretário municipal da Educação, Bruno Caetano, afirmou que anunciará a logística da entrega até a próxima sexta-feira (20). 

Ensino a Distância: uma oportunidade contra o coronavírus em São Paulo

O ensino a distância não se restringe ao Brasil. São mais de 516 milhões de estudantes com aulas paralisadas ou suspensas ao redor do mundo. As interrupções afetam 61 países, incluindo o Brasil. Os dados são da Unesco, segundo atualização de segunda-feira, 16 de março.

No ensino superior dos Estados Unidos, por exemplo, a paralisação das aulas presenciais ocorre em mais de 100 instituições. Entre as universidades, estão a da California, Stanford, Columbia, Berkeley e Harvard. A medida deve-se estender até o fim do semestre. 

A Google anunciou, por exemplo, que o Hangouts Meet está disponível gratuitamente para os usuários. O recurso pode ser utilizado para realizar reuniões e transmissões ao vivo para mais de 100 mil espectadores.

A recomendação na maioria das instituições, portanto, é utilizar o ensino a distância como uma ferramenta. Não é para que as atividades sejam canceladas: professores e alunos devem trabalhar juntos e de forma remota pela internet, por meio de ambientes virtuais de aprendizagem.